8 bilhões no lixo. Descarte incorreto de resíduos no Brasil

Foi lançado em 29 de Outubro o novo estudo, do Compromisso Empresarial para Reciclagem (CEMPRE), sobre a reciclagem de embalagens pós-consumo no Brasil.

Dentre as considerações mais importantes do CEMPRE Review 2013 estão:

  • Produção estimada de lixo no Brasil chega a 193.642 toneladas por dia;
  • Dessa produção, mais de 24 mil toneladas é descartada de forma irregular;
  • A coleta de lixo regular já abrange 87,4% da população;
  • Em 2012, 27% dos resíduos recicláveis foram recuperados, voltando a cadeia produtiva;
  • No caso específico das embalagens, o índice de recuperação foi de 65,3%;

O Ipea estima que o Brasil deixa de faturar oito bilhões de reais, anualmente, com o descarte incorreto de resíduos reaproveitáveis. Já o CEMPRE aponta que em 2012, a cadeia de reciclagem teve um faturamento de mais de R$10 bilhões.

A coleta seletiva é fundamental para o mercado de reciclagem. A Pesquisa Ciclosoft, aponta que de 5 570, apenas 766 municípios brasileiros oferecem serviço de coleta seletiva. Embora a quantidade de municípios seja pequena, representam 27 milhões de pessoas o equivalente a 12% da população brasileira.
Em 62% destas cidades, as cooperativas e associações de catadores fazem parte da coleta seletiva municipal.

Projeções feitas pela LCA Consultoria com as cidades sede da Copa do Mundo de 2014 (para o próximo ano) apontam que o país registrará benefício econômico de mais de um milhão de reais por dia, caso 90% da população de tais municípios seja atendida pela coleta seletiva. O grupo aponta alguns meios para facilitar esse processo: incentivos fiscais e creditícios do governo, além de redução nos impostos.

Papel dos catadores

Já existem mais de 800 mil catadores no Brasil, sendo 30.390 mil trabalhando de forma organizada em 1.175 cooperativas. Estes trabalhadores são responsáveis por separar 2.329 toneladas de resíduos recicláveis diariamente.

18% dos resíduos para reciclagem obtido por triagem em 2012 foi feito por catadores. Ainda com base nos dados observados pela consultoria, dos R$ 712 milhões de reais gerados com a coleta e venda de materiais recicláveis no ano passado, as cooperativas de catadores são responsáveis por uma fatia de R$ 56,4 milhões. Essas cifras, no entanto, podem ser maiores se houver aumento dos índices de reciclagem das embalagens no próximo ano.

Para o diretor da LCA Consultores, Bernard Appy, que liderou o estudo sobre o mercado de reciclagem das embalagens pós consumo, afirma: “Nossas projeções mostram que o modelo brasileiro de recuperação deste tipo de resíduo, baseado no trabalho dos catadores, é claramente viável se houver uma ampliação da coleta seletiva e um aumento da produtividade das cooperativas de catadores”.

Já para Victor Bicca, presidente do CEMPRE , quantificar os resultados deste mercado e projetar horizontes para os próximos anos pode auxiliar na tomada de decisão daqueles que já estão neste negócio e, principalmente, incentivar novos investimentos no setor. “Este é um mercado emergente e promissor”, salienta.

Por fim caso queira conferir o estudo na íntegra segue o link para o pdf.

Fonte:
Acesse o relatório de 2013 (formaro PDF: 1.2 Mb)
ciclovivo.com.br